sexta-feira, 31 de maio de 2013

Faroeste Caboclo



Muitos fãs da banda Legião Urbana, se perguntavam quando iriam lançar um filme que contasse a história de João de Santo Cristo, personagem principal da música Faroeste Caboclo. Esse dia chegou. Hoje estreou nos cinemas de todo o país o filme homônimo, dirigido por Renê Sampaio, que conta a história do trágico triangulo amoroso entre João, Maria Lúcia e Jeremias.

Para comemorar o lançamento, o Fator Pipoca preparou uma matéria especial para os fãs e curiosos irem entrando no clima. Aproveitem!

Por Nathalia Lopes


Sinopse:
João do Santo Cristo (Fabrício Boliveira) deixa Salvador em busca de uma vida melhor e parte para Brasília em busca de seu sonho. Lá, ele conhece Maria Lúcia (Isis Valverde), por quem se apaixona e gostaria de viver um futuro melhor, mas o envolvimento dele com o tráfico de drogas pode colocar tudo a perder, também praticado por Jeremias (Felipe Abib) que viria a se tornar seu grande rival.

A MÚSICA:



"Decidimos usar a música só nos créditos antes mesmo do filme começar. Acho que a música tem tamanha importância e relevância que não cabia coloca-la pra dentro do filme. Seria tão bacana poder ver um filme adaptado de um livro e no final poder dar uma lida rapidinha nele. É uma extensão da experiência do filme. Acho um barato ouvir a música no final e ficar comparando com o que teve no filme", Declarou Renê.

"O meu desejo e o dos produtores é que o filme tivesse uma pertinência emocional, uma resposta de artistas falando sobre a obra de um outro artista. Quando fizemos a adaptação, sempre buscamos a energia da música. Nesse caso, a minha maior preocupação foi fazer um filme com verdade, e que retratasse uma visão particular sobre a música. Também sempre me perguntei internamente se o Renato gostaria do que estávamos fazendo. Em última instância, é um filme feito por um fã. Espero que seja bem recebido por todos os que realmente gostam e entendem o espírito da música." Completou.

O ELENCO:

"Fizemos muitos testes e oficinas. O Felipe foi o primeiro a ser escolhido. Ele saiu no primeiro teste. E ele nem queria fazer o teste pela imagem que ele tinha do Jeremias e acabou criando uma outra coisa, que acabamos usando no filme. Era uma vontade dos produtores e minha de que a Maria Lúcia não fosse uma atriz tão conhecida, mas acabei querendo testar a Isis. E ela testou como se fosse o primeiro papel da vida dela. E ganhou na energia, na vontade de fazer. E por fim veio o Fabrício, que não queria fazer. Ele fez um teste, mas depois viajou de férias para Cuba. Mas ficamos na indecisão, fizemos mais algumas oficinas e deu tempo dele voltar.", disse o diretor.



  • Fabrício Bolivieira (João de Santo Cristo)


"Eu já conhecia a música. Ouvia muito ela aos meus 15 anos, que é o momento em que nós brasileiros entramos em contato com a história do Renato Russo, quando começa a fazer sentido a história de amor, as letras políticas e a poesia dele. Foi maravilhosa a possibilidade de contar esta história do brasileiro, que é esse cara que sai do interior e vai para a cidade grande", Afirmou o ator.

  • Ísis Valverde (Maria Lúcia)
"Eu já a idealizava, como todo mundo que já ouviu a música. A Maria Lúcia e eu, eu e a Maria Lúcia, criamos uma relação muito íntima uma com a outra. Acho que estava numa fase da minha vida em que precisava de um boom na minha carreira, na minha interpretação. E a Maria Lúcia veio para me ajudar a alcançar isso. Eu a abracei com minha alma, com meu corpo, e acho que ela a mim." Declarou a atriz.



  • Felipe Abib (Jeremias)


"Não vejo o Jeremias como vilão, mas como uma pessoa extremamente egocêntrica, que passa por cima de todo mundo", afirma Felipe.

"A gente teve a preparação junto com o Sérgio Penna. Ensaiamos por um mês e meio no Rio e mais umas três semanas em Brasília. Foi uma experiência bem positiva, porque a gente estudou a fundo a questão de Brasília e sobre como estes personagens poderiam se tornar reais", disse.

"Acho que a cena mais difícil é a da curra, que é bem forte. Foi uma cena muito dura, que exigiu muito da gente. No cinema a gente repete uma cena várias vezes, então foi muito cansativo para mim", destacou Abib

  • Marcos Paulo (Ney)




O que faz da história de João Santo Cristo uma história fascinante para um filme?

"O filme tem um recorte muito particular: a história de amor. Foi o que primeiro me chamou a atenção, e a verdadeira virada dramática do personagem que busca largar o crime para viver ao lado de Maria Lúcia. Além disso, essa saga moderna e brasileira, de um homem pobre, negro e migrante buscando a sua felicidade e realização ao fugir da sina de ser um ninguém, é uma trajetória muito interessante para esse personagem e foi o fio condutor do roteiro. A parte mais política da letra, em que se canta que ele "queria era falar com o presidente", está diluída e ao mesmo tempo concentrada no filme, pois acho que é a discussão que emerge da narrativa e que passamos para o público." Afirma o diretor.

Galeria de fotos



Confira mais vídeos





  2 comentários:

  1. Nossa, eu geralmente não leio matérias grandes, mas as de vocês são d+!!!!!!!!!!!!!!
    Essa é a primeira matéria que eu vejo que me dá vontade de ver o filme!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela matéria. Realmente nos deixa com vontade de ver o filme, identificar as colocações dos atores, do diretor etc. E principalmente, claro, as passagens da música.

    Mais uma vez, parabéns! Depois dessa reportagem, passo a ser leitor assíduo do Fator Pipoca!

    ResponderExcluir

Siga por E-mail

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.