quinta-feira, 23 de maio de 2013

Se Meu Apartamento Falasse



Por Ananda Oliveira


Nome Original: The Appartment
Ano: 1960
Diretor: Billy Wilder
Elenco:
Jack Lemmon .... C.C. Baxter
Shirley MacLaine .... Fran Kubelik
Fred MacMurray .... Jeff D. Sheldrake
Ray Walston .... Joe Dobisch
Jack Kruschen .... Dr. Dreyfuss
David Lewis .... Al Kirkeby
Hope Holiday .... Margie MacDougall
Joan Shawlee .... Sylvia
Naomi Stevens .... Mildred Dreyfuss
Johnny Seven .... Karl Matuschka
Willard Waterman .... Sr. Vanderhof
David White .... Sr. Eichelberger
Edie Adams .... Srta. Olsen


Sinopse: Querendo agradar seus chefes e, em consequência, subir na vida, um homem solteiro resolveu emprestar seu apartamento para que os executivos casados pudessem ter encontros amorosos. Mas a situação sai de controle quando ele se apaixona pela amante de um de seus chefes.

C.C. Baxter, ou mais conhecido como Buddy/Bud achou uma alternativa mais rápida para crescer numa impressa. Ele sede seu apartamento para pessoas influentes nos cargos da empresa em que trabalha, para levar suas amantes. Isso traz grandes consequências a sua vida pessoal como: não poder dormir na própria cama, esperar o local terminar de ser “usado” para entrar, limpar a bagunça e sem contar assumir posse de mulherengo, para justificar os barulhos femininos do apartamento. Não é uma vida fácil de viver, sem contar quando há complicações com as reservas.

Ao se apaixonar por Fran, o filme começa a tomar um rumo diferente e interessante, quase sendo incapaz do espectador piscar. Pois ela também é uma amante que frequenta o apartamento de Baxter.


O filme é uma comédia dramática que vai se desenvolvendo de uma forma crescente de uma comédia relaxante até atingir o ápice do drama sentimental. Os personagens são humanizados por seus dramas pessoais como, Fran que é uma mulher vulnerável quanto aos assuntos emocionais e Baxter que por mais cômico e cativante que seja é um personagem de coração partido.

Na trama estão presentes elementos como a ética no trabalho, mostrando o sucesso do mundo corporativo muitas vezes sustentado por uma troca de favores. Os personagens são desajustados o que os torna incrivelmente humanizados.  Os diálogos são brilhantes e ganham um toque especial pelo timming cômico de Lemmon. Para dar a impressão de um escritório muito grande nas cenas em que C. C. Baxter está na escrivaninha, o diretor Billy Wilder utilizou atores anões e mandou fazer móveis especiais.


Curiosidades

Oscar 1961 (EUA)

Vencedor:- Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original, Melhor Direção de Arte - Preto e Branco e Melhor Edição.

Indicado - Melhor Ator (Jack Lemmon), Melhor Atriz (Shirley MacLaine), Melhor Ator Coadjuvante (Jack Kruschen), Melhor Fotografia - Preto e Branco e Melhor Som.

BAFTA 1961 (Reino Unido)

Vencedor - Melhor Filme, Melhor Ator Estrangeiro (Jack Lemmon), Melhor Atriz Estrangeira (Shirley MacLaine).

Globo de Ouro 1961 (EUA)

Vencedor -  Melhor Filme - Comédia ou Musical, Melhor Ator - Comédia ou Musical (Jack Lemmon) e Melhor Atriz - Comédia ou Musical (Shirley MacLaine).

Indicado - Melhor Diretor.

Grammy 1961 (EUA)

Indicado - Melhor Trilha Sonora para Cinema ou Televisão.

Festival de Veneza 1960 (Itália)

Vencedor - Melhor Atriz (Shirley MacLaine) 

NYFCC Award 1960 (New York Film Critics Circle Awards, EUA)

Vencedor - Melhor Diretor, Melhor Roteiro e Melhor Filme.



0 comentários:

Postar um comentário

Siga por E-mail

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.