quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Clube da Luta



Por Ananda Oliveira

Nome Original: Fight Club
Ano: 1999
Direção: David Fincher
Elenco:
Edward Norton .... Narrador
Brad Pitt .... Tyler Durden
Helena Bonham Carter .... Marla Singer
Meat Loaf .... Robert 'Bob' Paulsen
Zach Grenier .... Richard Chesler - O chefe
Rachel Singer .... Chloe
Eion Bailey .... Ricky
Jared Leto .... Angel Face
Peter Iacangelo .... Lou
 
Sinopse: Um explosivo sofredor com insônia e um carismático vendedor de sabonetes, canalizam agressão primitiva masculina, transformando-a em uma nova e chocante forma de terapia. Seu conceito pega e formam-se diversos clubes clandestinos da luta em cada cidade, até que uma mulher sensual e excêntrica entra na jogada e desencadeia uma situação fora de controle rumo ao caos. 

A primeira regra é: nunca fale sobre o clube da luta. A segunda, nunca fale sobre o clube da luta.

Bem, já que quebrei as duas primeiras regras, o mais justo seria comentar sobre esse filme que dá, literalmente, um soco em sua mente.

Nada melhor para definir o filme que usando as palavras ditas pelo seu diretor. "Nós estamos destinados a ser os caçadores e nós estamos em uma sociedade de compras. Não há nada mais para matar, não há nada para lutar, nada para vencer, nada para explorar. Nessa emasculação social deste homem comum [o narrador] é criado” . – David Fincher.

Sim. Narrador. Há muita controvérsia a respeito do nome do personagem de Norton. Muitos acreditam que ele se chama Jack, por causa da frase "I am Jack's...".  Sendo mais comum ser chamado de narrador.

O narrador nada mais é que um homem de 30 anos, que é um individuo da sociedade consumista – da qual praticamente todos nós participamos -  e repleta de regras. Isto faz com que ele atinja o limite máximo que a sua mente consegue suportar. Consequentemente isso causa sintomas físicos com a insônia permanente.
"As coisas que você possui acabam possuindo você."

Tyler Durden, diferente do narrador, possui uma linha de raciocínio lógico surpreendente e uma vida social com um ponto de vista crítico sobre o mesmo.

Tyler e o narrador acabam se “identificando” com suas situações e acabam criando um “vínculo” de amizade forte.

Ao exporem suas atitudes de revolta, ocasionalmente acabam criando o Clube da Luta, que se torna uma lenda e uma avassaladora franquia nos EUA.

No geral, essa é a história.

Obviamente poderia dar mais detalhes sobre a trama. Mas meu objetivo aqui é fazer com que o filme não perca a sua carta coringa.

Fazendo o Sabão

O autor do livro de mesmo nome, Chuck Palahniuk, afirmou que o filme é uma boa complementação à sua obra.

Durante as filmagens o diretor, David Fincher, usou cerca de 1.500 rolos de filme, mais de três vezes que a quantidade normal utilizada em um filme de 120 minutos.

Algumas cenas foram, diga-se de passagem, muito bem improvisadas. Brad Pitt e Edward Norton estavam realmente álcoolizados na cena em que seus personagens aparecem bêbados rebatendo bolas de golfe. Na cena em que Pitt pede para levar um soco, Norton deu um soco de verdade no nariz do colega, a pedido do diretor. Acredita-se que o objetivo era deixar a cena realista. Tanto que a reação de Pitt no filme foi real.

Prêmios

Oscar                                              

Indicado: Melhores Efeitos Sonoros.

Empire Award

Vencedor: Melhor Atriz Britânica (Helena Bonham Carter)



  Um comentário:

Siga por E-mail

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.