segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Filmes Sobre Deficientes



Por Ananda Oliveira


O Escafandro e a Borboleta (2007)


Jean-Dominique Bauby, um jornalista bem-sucedido, editor da revista Elle que, aos 43 anos de idade, sofreu um acidente vascular cerebral. Em consequência desse ataque ele desenvolveu uma síndrome rara, denominada síndrome do encarceramento, a qual deixou seu corpo totalmente paralisado. Ele só podia movimentar o olho esquerdo. A partir de então, Bauby tem de aprender a conviver com ele naquele estado.

Meu nome é Radio (2003)


Harold Jones é o treinador de futebol americano. James cruza o caminho do treinador porque perambulava em volta do campo de treinamento. Um dia Jones intervem em favor do jovem quando alguns dos jogadores da equipe fazem uma "brincadeira" de péssimo gosto, que deixou James apavorado. Tentando compensar o que tinham feito com o jovem, Jones o coloca sob sua proteção, além de lhe dar uma ocupação. Como ainda não sabia o nome dele e pelo fato dele gostar de rádios, passou a se chamá-lo de Radio.

Black (2005)


A primeira metade desse filme é uma adaptação da autobiografia de Helen Keller - A HISTORIA DA MINHA VIDA. A trama se passa em torno de uma garota cega e surda, e seu relacionamento com o professor que mais tarde se desenvolve a doença de Alzheimer.

Simples Como Amar (1999)


Após passar alguns anos em uma escola especial, Carla Tate foi "graduada" e poderá voltar para casa de seus pais em São Francisco. Mas, apesar de ser intelectualmente limitada, Carla planeja morar sozinha, ter uma vida independente e também se libertar da presença da mãe, que a vigia de forma sufocante. Este desejo de ter seu próprio apartamento é aumentado quando conhece Danny McMann, um jovem que como ela é mentalmente "lento", mas mora sozinho.

As Sessões (2012)


O'Brien contraiu poliomielite aos seis anos, doença que o deixou imobilizado do pescoço para baixo e o forçou a viver dentro de uma máquina que funciona como pulmão artificial. A trama se passa anos 80 em que O'Brien, por recomendação da terapeuta sexual com quem se consultava, passa a trabalhar com uma pessoa contratada para manter atividades sexuais com o paciente. Nas palavras de O'Brien, enquanto o ofício da terapeuta é tratar a mente, a função da "substituta" é cuidar do corpo.

0 comentários:

Postar um comentário

Siga por E-mail

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.